terça-feira, 28 de dezembro de 2010

STOP Carniçaria Sionista!



Há dous anos do início do criminoso ataque sionista contra a indefesa povoaçom civil de Gaza. Mais de 1.400 pessoas massacradas em 22 dias, numha demostraçom da atrocidade e terrorismo do estado onde forom empregadas até bombas de fósforo branco como método de aniquilaçom. Hoje os responsáveis de aquele horror seguem sem castigo.

NEM ESQUEÇO, NEM PERDOM!

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Solstício de Inverno



O M.R.A. Galiza festejou no dia de ontem o Solstício de Inverno. O lar escolhido para dar começo ao acto foi
A Peneda na parróquia de Nembargantes no concelho de Redondela.



Sonhas cum sol hoje desaparecido
Símbolo da vida, de eterno retorno.
Encurtam os dias, o inverno chegou,
Mas no teu coraçom, sempre ficará a brilhar.

Na noite mais longa entraste na tua casa
A acender a coroa e preparar o fogo.
Vai começar umha longa velada
Com teus irmãos, irmãs, amigos, camaradas.

Sobre a mesa feita há já três velas
Para os que estám longe, mortos, crianças a chegar.
O rito solisticial vai renovar-se
Em memória do passado, por um grande porvir.

Celebraram-se os nossos antergos desde milénios
Esta noite consagrada à grande esperança
Dum sol que regressará a iluminar a nossa terra
Um mais cada dia, à medida que avançam as estaçons.

Temos de juntar-nos na noite dos nossos povos
Para mais nos fortalecermos neste mundo hostil.
Amanhã, já o sabemos, o sol brilhará
No fundo das nossas florestas, no coraçom das nossas cidades.

É na obscuridade, durante esta pausa,
Que podemos forjar as armas que necessitamos
Para o triunfo das nossas ideias, da nossa causa,
E oferecer à Europa desde Gallaecia um amanhã melhor.

À volta desta mesa, homens e mulheres livres,
Vêm recordar e reencontrar os seus Deuses.
Sente-se a alma que vibra através dos nossos cantos,
A alma da linhagem, a dos nossos avós.

Nesta noite portadora de grande promessa,
A nossa longa memória nos manterá firmes.
Porque, se Conventina nos trouxe ledícias,

Sabemos que o Bandua retornará
E com ele Lugh regressará.


Logo de dar leitura a vários textos e arengar umhas verbas, fumos visitar o fermoso Castelo de Soutomaior, no concelho com o mesmo nome.



Já acampados logo de cear, dimos começo a cerimónia e ritual do solstício de Inverno

A nai entrelaçou a coroa do Advento,
Entrelaçou-na com ramos bem verdes,
Que tirou do grande abeto sempre verde.
Umha vela arde na coroa. Todos meditam.
Certamente, tudo irá bem, porque assim o desejamos,
Como os pais o desejaram e como desejaram os de amanhã.
Sabem que, apesar de tudo, a vida é assim.
É o dia mais curto do ano.
O de amanhã será maior, o Sol regressará.
É a grande festa do Inverno, dia de ledícia,
Ledícia calma, penetrante, que cada um encontra no fundo de si
Diante da pequena chama que bruxuleia no candil.
Cada um refai o caminho percorrido.
A inquietaçom nasce no coraçom do homem se ele esquece
As leis da vida.
Um grande silêncio. Umha força enorme.
Como umha grande espera.
Diante da pequena chama que cintila agora no candil de pedra,
Cada um reencontra a confiança na sua força.
Ledícia triunfante de quem guarda a esperança.
O Sol triunfará.
O pai acende a fogueira de Nadal e, nos seus olhos,
Há também umha grande chama.
O fogo claro sobe na lareira.
A casa está cheia de calor e luz.
Todos meditam.
Todos prometem guardar fé em si mesmos
E na vida.
Em todos se eleva umha força nova.
A vida da nossa raça triunfará.




Já bem entrada a noite houvo tempo para mostrar novamente a nossa solidariedade com o camarada Pedro Varela, prendido a passada semana polo Estado Sionista Espanhol.





http://mragaliza.blogspot.com/2010/12/solsticio-de-inverno.html

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Tolémias nazis?



Quando presença-mos representaçons do passado político/militar do Nacional-Socialismo durante o III Reich, a miúdo mostrase-nos a um Führer carragento e fora da realidade, rodeado de generais ineptos que davam ordes absurdas cumpridas por cegos sicários com uniforme de soldado.

E é que durante os anos de paz, e principalmente na passada guerra, há umha série de lendas absurdas, verdades tergiversadas alguns e escandalosas mentiras a maioria, que mantenhem essa visom delirante dos mandos "nazis" que até hoje chegou.

Nom está permitido reconhecer sequer que os "nazis" fizerom bem algumhas cousas. Todo o que fizerom é maligno, fundamentado em perversas teorias, e perpetrado polos mais vis seres que o inferno tivera sido capaz de conceber.

Falar de feiras pagadas, de que cada obreiro tivese umha casinha com jardim, que se puide-se pagar um veiculo sem interesses, dumha incipiente seguridade social, de tuda umha nova e moderna rede de auto-estradas, do embelezamento das cidades, dumha autêntica comunidade popular… Isso é inconcebível que tivera sido criado polo Nacional-Socialismo. Em troques, qualquer panocada, qualquer barbaridade sem fundamento algum, qualquer lei que coarcta-se as liberdades, aceita-se sem debate, a risco de ser chamado de “nazi”, como próprias de aquele regime do passado século.

Contra isto nom se pode fazer nada porque é luitar contra umha mentalidade implantada por 80 anos de propaganda massiva na gente. A gente nom para a razoar nada. Singelamente aceitam “a verdade” que se lhes oferece diariamente, mentres poidam seguir “vivendo” sem demasiadas preocupaçons.

A ledícia da ignorância.

O que sim tentaremos desgranar neste artigo, é demostrar desde a lógica, a absurdidade que tem que qualquer pessoa que se preze a si mesma como razoável, defenda umha série de pontos que actualmente semelham irrebatíveis à vista de todos.

1. Tolos e tolémias.

Cum tolo ninguem discute, porque é assumido que nom dirá nada sensato e qualquer argumento lógico de nada serve a umha pessoa que nom se rege desde a lógica.

É o modo mais doado de negar o debate a outra pessoa.

Todos ouvimos a alguem exclamar “isso é umha tolémia”, e acto seguido negar-se a falar ou debater o que se estava a tratar na conversa.

É o recurso do covarde que se sabe contra a parede e sem argumentos para sair bem da situaçom. (Quando se tem poder, o argumento é o cárcere e a difamaçom).

Assumindo que os "nazis" tam só forom um brote de tolémia, nega-se tudo processo razoável, polo qual analiza-se um problema e prevem-se as suas consequências. Nom se pode dizer que o Nacional-Socialismo fosse umha consequência da situaçom de desesperaçom e crise que se vivia nos anos 20 e 30. Nom. Os "nazis" forom só uns tolos. Mas, Cómo é possível que uns simples tolos fizeram-se com o poder no estado Alemam? Essa pergunta planeja umha morea de dúvidas, e sem embargo qualquer pessoa com estudos, ou sem eles, afirmará como se tive-se as tábuas do Moisés na mam, que Hitler era um pobre tolo.

Germânia. O país da ciência, da técnica, onde estava tuda a indústria do cinema, todo o poder farmacêutico, o arte, o autêntico coraçom renacentista de Europa… Como um tolo, um homem pobre, sem dinheiro, sem um apelido ligado à nobreza, sem um grande partido detrás que o respalda-se, fizo-se com o poder?

Como um grupúsculo de 7 homens, que se reunia na trastenda dumha cervejaria Muniquesa, chegou-se a converter no mais grande partido político que existiu?

A miúdo a linha entre a tolémia e a incrível genialidade é pouco visível, e sem lugar a dúvidas, naqueles anos de criaçom da facheira Nacional-Socialista que se converteria num incêndio arrolador, a personalidade de Hitler semelharia extrana e controvertida para muitos.

Qualqueira pode ver as imagens de pabilhons cheios de gente. Grandes carpas ao ar livre, dando alojamento a dezenas de milheiros de obreiros acompanhados das suas mulheres e filhos que acodiam de cada recuncho a ouvir falar a aquele homem.

Primeiro começava a falar baixo, quase nem se lhe escuitava, a gente olhava extranada uns a outros. E de súpeto brotava dele a eloquência, a fúria, as palavras que todos os ali reunidos sentiam no seu coraçom e a sala estalava num frenético extase de Socialismo, de Trabalho, de Liberdade..

Isso é um tolo?

Curioso conceito de tolo tenhem os defensores da democracia actual.

2. Os nazis eram o mal absoluto.

Esta afirmaçom é perigosa para os próprios demócratas actuais, pois esquecem-se de que Hitler e o Nacional-Socialismo, alcanzou o poder por meio do mesmo sistema que eles defendem, e isso para eles seria como dizer que o seu sistema promove o Nacional-Socialismo. É umha verdade como um templo que Hitler ganhou as eleiçons no país mais culto do mundo. Como o é que durante os mais de dez anos no que luitarom por esse objectivo, todos os partidos, comunistas, demo-cristians, social-demócratas, verdes ou da índole que fossem, unirom-se entre si contra esse inimigo comúm que semelhava irresistível, e nem todas as suas fortunas, nem o controlo da polícia, nem do exército, nem da rádio, nem da prensa, nem das leis, conseguirom deter a avalanche da suástica por toda Germânoa. Polo tanto está claro que Germânia apoiou a Hitler. E que como bem dizia o nosso mártir Rudolf Hess na apertura dum congresso N-S, Germânia é Hitler, Hitler é Germânia.

Afirmar que Hitler era o mal. É afirmar que todos os germanos eram o mal.

No seu defeito, que Hitler, era um mago negro, que com os seus poderes ocultos governava a vontade dos seus concidadans, como se chegou a repetir por aí (É normal que sejam incapaces de entender como todo um povo enteiro volca-se cum líder, num tempo no que os “líderes” jamais forom tam aborrecidos polo povo). Os demócratas evidentemente fundamentam-se em câmeras de gas, campos de extermínio e outros trucos de mágia que nem a física, nem a química, nem as matemáticas, nem os estadistas de entóm, nem os serviços de inteligência de qualquer país, nem a cruz vermelha internacional, e seguramente nem os mesmos judeus, som capazes de defender com provas e sem ameaça de cárcere. Mas está claro que este ponto leva-nos de cabeça cara o Holoconto dos 6 milhons de pantasmas, que é a pedra angular do anti-nazismo e polo tanto do judaismo internacional. Aí estám os milhons de provas que desmontam a impossibilidade do holocausto tanto técnica como físicamente.

E aí está igualmente a doctrina N-S, defensora máxima do BEM a todos os seus níveis, e baixo cuja autoridade, é impossível que se leva-se a cabo tam vil maquinaçom como tiverom a bem inventar os sionistas desejosos de credo para o seu flamante estado judeu. Claro está, que os nazis estavam tolos.

3. Os nazis queriam dominar o mundo.

Esta afirmaçom demostra que a cúpula do sionismo está tem na cabeça a personagens sem a mais mínima imaginaçom. É o argumento de toda película na que há bons e maus. Os nazis evidentemente som os maus sempre, e como nom, queriam dominar e escravizar o planeta inteiro.

Pegunto-me como, nos inícios da segunda guerra mundial (por que claramente segundo esse razonamento a guerra começaro-na os nazis e nom as democracias), sem tanques pesados, sem frota, cumha incipiente aviaçom e com nem sequer a metade das projectadas tropas de terra equipadas e treinadas, pretendiam os nazis invadir o mundo, perante uns vizinhos atrincheirados detrás de gigantescas linhas defensivas, com exércitos poderosísimos e armados até os dentes. Está reconhecido por todos os estadistas militares, e diziam os chefes militares germanos naquele entóm, que de ter sido atacados pola retaguarda quando invadirom o estado Polaco, a guerra teria rematado em duas semanas com a derrota do nascente III Reich. Por outro lado é curioso o caso de amnésia neste tema quando a URSS desde o seu nascimento no 17, anexionou-se pola força militar Carélia meridional, Ucránia, Geórgia, Arménia, Kazakhstam, Uzbekistam, Azerbaidjam, Tadjikistam, Kirghízia, Turkmenistam, Tanu-Tuva e a Mongólia exterior, cum total de 60 milhons de seres humanos no total. E antes da invasom Germana sobre a URSS, invadiu Letónia, Estónia, Lituánia, exigiu a Rumania a entrega das ricas regions de Besarábia e Bukovina do norte, invadiu Finlándia à que roubou importantes territórios e finalmente invadir o que ficava do estado Polaco tras a invasom germana para recuperar os Sudetes e outras terras germânicas…. Curioso! Claro está que os nazis estavam tolos..

4. Os nazis só queriam homens loiros e de olhos azuis.

Esta nom sabia se incluí-la aqui polo ridículo… Realmente em quanto umha pessoa nos increpa aos Nacional-Socialistas, umha afirmaçom deste tipo, o melhor que podemos fazer é palmar-lhe no hombreiro amizosamente e desejar-lhe que passe um bom dia. Cecais esta afirmaçom tem a sua origem nas rigurosísimas selecçons de personal que se faziam nas Waffen SS nos seus começos, nas que se dize que um simples empaste numha mõa, era suficiente para nom ser admitido. Polo demais só há que observar a qualquer dirigente N-S da época para olhar que muitos estavam totalmente distantes desses canons, que realmente, nom era mais que o ideário de beleza de aquele entóm, (ideário sempre recorrido em temas artísticos ou como exemplo de saúde física do povo) igual que o segue a ser hoje em dia. É evidente que os nazis estavan tolos.

5. Hitler cometeu o erro de luitar em várias frontes à vez.

Este era o grande terror dos chefes militares germanos. Mas a Germânia nom lhe ficou outro remédio, e nom foi um erro seu propriamente dito.

O erro foi nom percever que o bloco marxista da URSS, e o bloco dos capitalismos ocidentais, nom formavam umha aliança anti-natural, como Hitler a chamava, se nom que eram o mesmo bloco com diferentes formas. Germânia queria a paz con Inglaterra. Hitler chegou a oferecer 9 vezes umha paz sem vencidos nem vencedores, num momento no que era o claro vencedor da contenda, e sempre foi rejeitado. O mesmo Churchill dixo que no caso de ter que batizar à segunda guerra mundial, chamaria-a a guerra estúpida, pois nunca umha guerra poderia ter sido evitada com tanta facilidade como aquela.

Ademais disto, Hitler empenhou-se em perdoar a vida a todo o exército inglês em Dunkerke, (citado este como um erro militar de Hitler, claro está, sem ter em conta as motivaçons políticas nisso), pois dizia que se humilhava a Inglaterra com umha grande derrota, nunca averiam-se de assinar umha paz com Germânia. Outros aduzem que deveu invadir a Inglaterra, mas isso suporia manter e alimentar a outros 50 milhons de seres, que recebem a maior parte do seu alimento importado dos EUA, suministro que ficaria curtado, no caso de caer esta em mans germanas, e ficando o avitualhamento ao cargo do já bastante sobrecarregado serviço logístico germano…

Logo estava o outro lado, a URSS. Que Hitler deveu esperar para invadí-la? Quanto mais espera-se Germânia, mais tempo teria para armarem-se a URSS, e o potencial industrial soviético detrás dos Urais, era 200 vezes o que tinha Germânia entóm, polo que, o que ganharia Germânia no primeiro ano, teria-o a URSS 200 vezes no mesmo período, sabendo que tarde ou cedo, lançariam-se ao assalto de Europa.

Assim que olhemos por onde olhemos, é difícil defender como um erro do mando germano o combate em duas frontes. Simplesmente foi algo que aconteceu assim de maneira inevitável.

Claro está que os nazis estavam tolos.

6. Hitler abandonou aos seus soldados em Stalingrado.

Devido a informes da infiltraçom comunista dentro de Germânia, o mando soviético conhecia as debilidades (como carência de eficientes armas anti-carro) dos flancos do 6º exército germano que operava na zona de Stalingrado, e neles descarregou toda a sua força com poderosos exércitos couraçados. Nuns poucos dias o exército do general Von Paulus ficou cercado por umha gigantesca massa soviética, composta do seguinte modo: o 62º exército polo oriente, o 66º e o 24º polo norte, 65º e 21º por ponhente, o 57º e o 64º polo sul, e o 5º pelo sul-este. Umha monstruosa quantidade de homens e de material que se enfrontavam a tam só 235.000 soldados germanos. Actualmente dize-se que Hitler, dando ordes sem sentido, obrigou a esses homens a cravar-se no terreio condenando-os a morrer de frio ou baixo as balas russas. Para começar, o mariscal Goering assegurou a Hitler que o 6º exército podia ser abastecido desde o ar, posiçom que ainda que logo veu-se imposível, foi secundada pelo mariscal Keitel e o general Jodl, nom ficando ao Führer mais remédio que confiar nos seus subordinados. Por outra banda levou-se a cabo umha tentativa de rachar o cerco, no que o exército do general Hoth, chegou a só 48 Km, e um ataque resolto dos homens de Von Paulus nessa direcçom, segundo o general Von Manstein teria reestabelecido a situaçom.

Mas polo visto, Von Paulus pensou que teriam mais possibilidades de sobreviver se ficaram inmóvil em Stalingrado, que se tentavam rachar o cerco.

Finalmente, todos os mariscais de campo soviéticos, coincidem na postura, de que se nom tivera sido pola orde dada por Hitler, de que o 6º exército cravara-se no terreio durante os 71 días que aguantou, mais de 220 divisons teriam-se derrubado sobre toda a parte sul germana e teriam provocado umha catástrofe sem precedentes. Polo que com o seu sacrifício, o 6º exército ganhou tempo para que centos de milheiros de soldados puderam retroceder e estabilizar umha nova fronte.

É evidente que os nazis estavam tolos.

7. Os nazis rebaixarom o nível de vida obreiro.

Afirmaçom um bocado ridícula.

Depois da primeira guerra mundial, e antes do meteórico ascensso N-S ao poder, nom havia classe mais ruinhosa em Europa que os trabalhadores germanos, e isto logrado graças e únicamente aos sucessivos cámbios de governo, que perante a situaçom de pobreza imperante, só souberom pedir mais e mais credos extrangeiros, que ainda que salvavam os móveis tempo curto, ao longo, empobrecia-se mais e mais ao povo. O Nacional-Socialismo partiu desde 0. Com as arcas nacionais vazias (mais bem nas mans doutros países), e com os níveis de paro e desocupaçom batendo records históricos.

A economia nom se podia reactivar gerando mais dinheiro-papel, se nom gerando trabalho, que a sua vez gera-se riqueza. Gigantescas obras forom postas em marcha, decenas de milheiros de obreiros puiderom começar a trabalhar, a dar movimento à indústria, ao comércio. Serviços que hoje em dia parecem-nos indispensáveis, como a seguridade social ou as feiras pagadas, forom implementados por primeira vez em Europa polo Nacional-Socialismo. El salario en las industrias, ascendió entre 1932 y 1937 un 245%. Todas as grandes fábricas forom remodeladas para que os obreiros dispussesem melhores serviços. Começou-se a aplicar a ideia de que quanto melhores som as condiçons de trabalho dum obreiro, maior é o seu rendimento. Dispunham de espaçosos e iluminados comedores, instalaçons deportivas, teatros, cinemas, salas de lezer…

O estado impuso-se que cada obreiro tive-se em propriedade umha casa com jardim para a sua família, posto que a ideia social do Nacional-Socialismo, nom se limita a umha mera ideia económica como ocorre no comunismo, se nom que no Nacional-Socialismo, a missom do socialismo é a de elevar a vida económica, social, artística e espiritual da naçom. A naçom nom é só um simples factor económico a melhorar. A naçom é arte, é cultura, é ócio, é família… mas claro está que os nazis estavam tolos.

8. Factor tempo.

O tempo foi algo determinante no que a governo do Nacional-Socialismo refire-se.

Faltou completamente.

Faltou tempo para inventos novedosísimos.

Faltou tempo para preparar aquela terrível e inevitável guerra.

Faltou tempo para regenerar um país carcomido pola democracia.

Faltou tempo para criar, construir, ressuscitar… o único ideal válido e latente na alma europeia.

A revoluçom que propunha o Nacional-Socialismo na Germânia era tam enorme, tam gigantesca, que os 6 curtos anos de paz de que dispuserom nom chegou para fazer nem sequer a ponta do iceberg, mas ainda assim, o mundo puido ver como um país humilhado e prostrado ante os vencedores de Versailes, alçava-se em 6 anos e convertia-se na maior potência que o mundo viu jamais.

A maior parte do funcionariado do governo germano era extrano e hostil ao Nacional-Socialismo, a maior parte das grandes obras nom puiderom ser começadas, e as que si o fizerom ficarom arrasadas polas bombas democráticas, o renascer científico espectacular, artístico, ou aquela comunidade social magnífica, onde todos, desde crianças a ancians reconheciam na Swástica umha símbologia de ledícia e de bem-estar… Todo conseguiu-se numha parte insignificante do que devia ser. A guerra, para a que ninguem no III Reich estava preparado, e com a que tampouco contavam, truncou esse maravilhoso sonho de renovaçom, por um país fumeante e actualmente afundido em esterco.

Mas bom, os nazis estavam tolos.

sábado, 11 de dezembro de 2010

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Quem foi o Primeiro?

Conta a história oficial que se nos dá nos nossos centros de estudo que a América foi descoberta por Cristovo Colombo um 12 de outubro do ano de 1492; pelo menos a história oficial do estado espanhol. Em países como Islândia, Dinamarca, Suécia ou Noruega estuda-se nas aulas que lá pelo ano 1000 Erik Thorvaldsson, um chefe viquingue chegou desde Islândia a terra de Gronelândia e o atual Canadá ao que denominou Vinland, quer dizer, Terra das Vinhas.



Sabemos que os viquingues, grandes navegadores elaboraram cartas de navegaçom com as costas norteamericanas desenhadas em pergaminhos de couro que sem qualquer dúvida passaram à posteridade de mans a mans de grandes marinheiros conhecedores da existência dessas terras do sol-pôr. Nom se explica doutra forma que haja mapas como o do semita Piri Reis conservado no Museu Topkapi de Estambul e feito a começos do século XV, mesmo muito antes do nascimento do descobridor oficial da América para a historiografia do estado espanhol: Colombo. É curioso também que estas evidências de mapas que apresentam as costas orientais da América antes de Colombo sejam apresentadas como as notícias típicas de programas como “Quarto Milénio” do Íker Jiménez ou similares, parecendo que nom há explicaçom racional para semelhantes mistérios e metendo-as na saca dos X-Files para que ninguém acredite nelas em vez de dar-lhes um tratamento inteligente, científico e respeitoso nas Universidades e nos Liceus.



Foi após a chegada dos chamados Reis Católicos à Corte castela, após a derrota da Joana de Trastâmara (“a Excelente Senhora” para a historiografia galeguista, e “La beltraneja” para os historiadores castela-espanholistas), quando os portucalenses viram fechadas as suas fronteiras pela Monarquia Hispânica, e decidem continuar por mar o rumo começado havia já umas décadas para poder fazer do Reino de Portugal um Estado viável sem cair nas mans da ambiciosa e imperialista Castela daquele tempo. África foi a saída natural para estas exploraçons, pois penetrar no Atlântico tenebroso cheio de lendas, também era uma saída possível, e muito mais se conheciam a tradiçom secular iniciada por aquele Erik Thorvaldsson, o Ruivo e o seu filho Leif Erikson, continuada da mam de posteriores navegantes medievais romanos e padanos, semitas de turquia e outros, até chegarem aos povos marinheiros do ocidente atlântico como neste caso é o Reino de Portugal.

Há muitas notícias das navegaçons rumo ocidente favorecidas pela coroa portuguesa que as olhava como investimentos de futuro premiando os servidores esforçados por aquelas rotas longínquas e inexploradas, como os da família dos Corte Real dos que se sabe tinham terras e possessons no atual Canada por volta dos finais do século XV.

Temos referência de expediçons nos anos 40 do século XV; fala-se que o Diogo de Teive, navegante e descobridor dalguma das Ilhas atlânticas do Reino Português dos Açores chegou até terras americanas por volta do ano 1452; também da expediçom nos anos 60 do próprio Diogo juntamente com o seu irmam João de Teive, os quais exploraram as partes mais orientais do Norte da América. Nessa situaçom, está também a descoberta da “Terra Nova dos Bacalhaus”, ou “Terra Nova dos Corte Real” como era denominada nesta altura histórica a atual Terra Nova canadiana.

Em 1471 ou 1472 os navegadores João Vaz Corte Real e Álvaro Martins Homem chegaram ao actual Canadá, numha expediçom conjunta Portugal-Dinamarquesa efetuada a pedido de D. Afonso V. Tal é assim que mesmo no Canadá é de ensino comum aos alunos de história isto que estou a escrever, sendo de importância grande para o estudo da história do país americano que ergueu umha estatua a um dos Corte-Real, ao Gaspar Corte-Real, em Ottawa em 1999 como fito comemorativo daqueles eventos. Assim mesmo, sendo expediçons nas que colaboravam com o Reino de Portugal, experimentados marinheiros dinamarqueses descendentes daqueles viquingues que chegaram a Vinland é fácil acreditar nas expediçons pré-colombinas bem sucedidas para qualquer historiador nom castelanista. Para eles nom som X-Files.

É interessante, mesmamente, reparar no nome galego que se lhe dá à Terra Nova, nom em latim como se nos tem dito, já que originariamente era como temos comentado acima: “Terra Nova dos Bacalhaus”. Já naquela altura o Reino de Portugal ia pescar os bacalhaus àquelas terras e ainda hoje a procedência deste peixe tam típico na sua culinária é das zonas orientais do Canadá, nomeadamente a Terra Nova.

Pêro de Barcelos e João Fernandes Lavrador partiram em 1491 também rumo ao actual Canadá, um ano antes do que Cristovo Colombo “descobrira” as Ilhas das Caraíbas. Foi o segundo dos expedicionários quem lhe pus o nome de Península de Lavrador ao grande território onde está assente o actual Quebeque. É por isso pelo que muitos historiadores suspeitam que o Cristovo Colombo já sabia da existência destas terras muito antes de ele falar com a Isabel de Trastâmara, a Rainha Católica. O facto de lhe pedir em propriedade as terras descobertas por ele numha das expediçons dando a entender que o queria tudo –foi por isso que nom aceitou o Rei Português- é o que nos faz acreditar que ele sabia que lá havia terras e muitas riquezas. A segurança que manifestou em todo o momento de que ia achar territórios nom conhecidos pela gente do Reino de Castilla; os muitos segredos que tinha o Colombo aos olhos dos próprios castelans e o ter vivido muitos anos antes no Reino de Portugal fazem acreditar na ideia de que estava bem informado do que haveria para além do Atlântico. Só a historiografia do estado espanhol faz que nom sabe e que nom percebe que antes tinha havido muitos movimentos de europeus ao redor da América. Tudo para terem o falso prestígio de serem eles os primeiros.

Com tudo isto quero dizer que a História sempre é umha narraçom que cada um interpreta segundo o seu jeito e os seus interesses, daí o dito famoso de que “Cada um fala da feira segundo lhe vai nela” mas no caso da mal chamada descoberta da América é muito evidente a mentira histórica na que nos meteu a historiografia do estado espanhol que nom explode porque está sustentada por um poder político que é o mesmo que sustenta a ideia que dá razom de ser ao próprio Estado com a identidade "una" e "unificadora" que o carateriza, deixando para o mistério elementos que as historiografias de outros países recolhem como elementos de estudo e de transmissom totalmente fidedignos e válidos.

A historiografia do estado espanhol é das mais irreais, mitologizadas e manipuladas de Ocidente, depois da do III Reich contada polos vencedores logicamente. O problema é que esta narraçom dos factos está tam assumida pelos cidadans do comum que aceitam sem a mais mínima crítica aquilo que se lhes ensina nos liceus e nas Universidades do Estado Espanhol, que mesmo insinuar simplicidades que contradizem a doutrina oficial e facilmente demonstráveis como por exemplo o protagonismo do Reino da Gallaecia durante a Idade Média, a identidade linguística galega ou a chegada dos europeus à América, é motivo de excomunhom inteletual e de perseguiçom feroz.

Som estes assuntos de muita controvérsia já que som estas cousas as que lhe dam sustento a ideia da "España Profunda" e castelã centralista e única. Sem essas usurpaçons científicas, o Estado Espanhol que se nos vende, de língua castelã para todos, de touros, do Cid e Don Pelayo, de flamenco e mouraria, de Castela a grande, de encontro de culturas e da sorte que tiveram os americanos porque lhe levaram o catolicismo, nom seria mais do que umha autêntica caricatura de si própria. Só no momento em que os poderes políticos mais carpeto-vetónicos e nacional-católicos deixem de ter a influência que têm será que a gente possa conhecer as mesmas cousas que se conhecem em outros lares da Europa civilizada. Esse dia, esse modelo do Estado Espanhol tal qual a conhecemos hoje vai deixar de existir para bem de todos nós os Hispânicos de bem, dentro e fora da península.



Ainda assim, há que deixar claro que os mesmos "ameríndios" nom som nativos americanos como erroneamente se lhes chama, senom que éstes chegarom desde Mongólia e o que hoje conhecemos como China faze mais de mil anos, de aí os seus rasgos, suspeitava-se antes e demostrou-se cumha analise de ADN, polo que nem o Imperio Hispânico nem os Viquingues, os primeiros forom os asiáticos.

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Pedro Varela ingressará em prisom esta semana



Da mesma maneira que conseguirom silenciar as palabras dum grande escritor e camarada como Ramon Bau , desta vez o sionismo e o seu poder factico , seguiram a silenciar a quem trate de desafiar o seu poder , é por isso que existem homens com têmpera de aceiro e que nunca baixaram o seu braço neste combate , apoiado por sempre polos camaradas de verdade.
Este é o caso do camarada Pedro Varela, condenado por um delito de “difusom de ideias genocidas”, ingressará em prisom a vindeira quinta feira logo de receber a orde de ingresso.

Varela pediu a suspensom da pena ao Julgado do Penal Número 15 de Barcelona (Gothalaunia), encarregado de executar isto, que a finais de Outubro decidiu nom conceder-lha. Já tinha outra sentença condenatória ,cuja pena era de sete meses de prisom, do ano 2008, cousa que fixo decantar a decisom da juíza.

Em declaraçons a Europa Press, o livreiro explicou que recebeu a orde a sexta feira, quando já se atopava fora passando a ponte da "Constituçom", polo que decidiu que passado a ponte personaria-se voluntariamente no centro que lhe corresponda.

“É inenarrável que me condenem por editar livros. Eu só os vendo, nom os edito, ainda que eles disfarça-no de delito”, sostivo.

Varela foi condenado a duos anos e 9 meses de cárcere e mais tarde a Audiência rebaixou-lhe a pena a um ano e tres meses de cárcere.

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Camisas Nevoeiras!



Camisas grises marchando vam
cor do nosso nevoeiro céu
orgulhosos lucem os seus braçais
e bandeiras que agarimam o vento

Já chegou a nova estirpe
com os novos clans corajosos
sangue e honra irredutíveis
contra os filhos de Franco e Marx

Desfilam nas ruas velhas bandeiras
de trisqueis e cruzes no canto de estrelas
com a simbologia dos nossos antergos
a Gallaecia unida retomaremos

Irmandade sem resentimento
da verde Asturies até Aveiro
a juventude uniformada
luita a morte pola pátria

Escrita polos camarada: Breixo J. e M. Boente

domingo, 28 de novembro de 2010

25 Razones pa llamar Gallaecia a Asturies y Llión




1) PORQUE LA ETNOGÉNESIS DE LOS GALAICOS GALEGÓFONOS (DEL NORTE Y DE EL SUR) Y DE LOS ASTURICENSES YE LA MESMA, PROVENIMOS DE LOS ANTIGÜOS KALLAIKOI O GALAICOS

2) PORQUE LOS "ÁSTURES" DE LES GUERRES CÁNTABRES FUERON UN PUEBLU VASCÓFONO, ESTERMINÁU NESA GUERRA, Y ENSIN NADA QUE VER COLOS ASTURIANOS.


3) PORQUE LOS ASTURIANOS Y LLEONESES BAXEN DE LOS GALAICOS AL VIVIR NA "OININKOI" (SUBDIVISÓN TRIBAL GALAICA) ASTURIENSE.

4) PORQUE LOS ROMANOS (QUE TENÍEN EN CUENTA LES FRONTERES ÉTNIQUES PA LES SOS DIVISIONES ALMINISTRATIVES) INCLUYERON SIEMPRES EL CONVENTU ASTURIENSE (CON CAPITAL EN ASTORGA) NA PROVINCIA ROMANA DE CALLAECIA

5) PORQUE EL NOME "ASTURIES" QUIER DICIR "ESTI" (NESTI CASU, ESTI DE LA GALLAECIA) Y TIEN EL MESMU ORIXE QU'EL NOME "AUSTRIA", QUE YE L'ESTE DE LA XERMANIA ÉTNICA (YE LA TRADUCCIÓN LLATINA DEL NOME XERMANU PA ESI MESMU PAÍS: ÖSTERREICH)


6) PORQUE FIXO PARTE DEL REINU DE GALLAECIA DE DINASTIA SUEVA, Y CALTÚVOSE DIENTRO DE L'ALMINISTRACIÓN GALAICA MIENTRES EL DOMINIU VISIGODU.

7) PORQUE ASTURIES FOI OCUPADA POLOS ÁRABES NUN PRIMER MOMENTU, Y TENÍEN UNA GUARNICIÓN EN XIXÓN, QUE FOI GANADA POR DON PELAIO, UN NOBRE GALEGO DE TUI, NA BATALLA DE CUADONGA (722)

8) PORQUE, APESAR DE MENÉNDEZ PIDAL Y SÁNCHEZ ALBORNOZ, EL REINU D'ASTURIES" FOI EM REALIDÁ EL REINU DE LA GALLAECIA, CON CAPITAL N'UVIÉU, Y EL REINU DE LLIÓN" FOI ESI MESMU REINU, COLA CAPITAL CAMUDADA PA LLIÓN.
9) PORQUE LA RIVALIDÁ ENTE LES NOBLECES OCCIDENTAL Y ORIENTAL, POLA CUESTIÓN DE LA CAPITALIDAD, FOI L'EMPIEZU DE LA SEPARACIÓN

10) PORQUE FOI UNA DINASTIA ESTRANJERA, IMPUESTA POR CASTELLANOS Y NAVARROS DESPUES DE LA BATALLA DE TAMARÓN EN 1037, LA QUE DIXEBRÓ ADMINISTRATIVAMENTE LA PARTE OCCIDENTAL Y LA ORIENTAL DE LA GALLAECIA

11) PORQUE LA LLINGUA PRERROMANA FOI LA MESMA, EL GAÉLICU GALAICU, QUE SIRVIÓ DE SUBSTRATO COMÚN TANTU AL GALEGO ACTUAL COMO AL ÁSTUR-LLEONÉS ACTUAL.


12) PORQUE LA LLINGUA ROMÁNICA EN FORMACIÓN FOI COMÚN, EL PROTO-GALAICU, Y ACABÓ BIFORCÁNDOSE EN DOS BIEN VENCEYAES ENTE ELLES

13) PORQUE DAMBES LLINGÜES COMPARTEN UN 80 PER CIENTU DE VOCABULARIU, ESPECIALMENTE PALABRES PATRIMONIALES

14) PORQUE HAI MENOS DISTANCIA ENTE ELLES QU'ENTE L'ALEMÁN PATRÓN Y EL DIALECTU BÁVARU, O ENTE EL CATALÁN Y EL OCCITANU

15) PORQUE LA TOPONIMIA ASTURIANA YE CASI IDÉNTICA A LA GALEGA, CON CIERTES VARIACIONES FONÉTIQUES PROPIES DEL ASTURIANU


16) PORQUE NUN YE SIEMPRES Y NECESÁRIAMENTE LA LLINGUA LA QUE MARCA LES LLENDES ÉTNIQUES.

17) PORQUE EL CONDE DE BENAVENTE ESCRIBIÓ, NEL SIEGLU XI: "NÓS LOS GALAICOS..."

18) PORQUE NA EDÁ MEDIA LOS ESTRANJEROS, TANTU NA AL-ANDALUS, EN FRANCIA, N'INGLATERRA, N'ALEMAÑA, Y EN EL NORTE D'EUROPA, LLAMABEN GALLAECIA AL SUPUESTU REINU "ÁSTUR-LLEONÉS"

19) PORQUE, DESPUES DE LA RESTAURACIÓN D'UNA DINASTIA GALAICA EN 1111, FIXIMOS PARTE DEL MESMU REINU HASTA LA USURPACIÓN CASTELLANA DE 1230


19) PORQUE EL FOLCLORE, LA MÚSICA, EL COSTUMES Y LA CULTURA MATERIAL (CASTROS, HORROS, ETC) SON PRÁTICAMENTE IDÉNTICOS

20) PORQUE ASTURIES Y GALIZA SON IGUAL DE CELTES

21) PORQUE LOS FANÁTICOS ANDECHANISTAS Y NACIONAL-ESPAÑOLISTES, SON LOS TONTOS ÚTILES DEL XACOBINISMU D'ESTÁU Y SIONISTA, PA CREAR NOS ASTURIENSES ODIU Y DESPRECIU CONTRA LOS GALAICOS OCCIDENTALES (GALEGOS), ENFRENTANDO ASI DOS PUEBLOS HERMANOS ENCUANTO L'ASTURLLEONÉS YE ESCORRÍU NA SO PROPIA TIERRA

22) PORQUE YE POSIBLE TENER DOS LLINGÜES OFICIALES, HEXEMÓNIQUES NES SOS PROPIES ÁREES, NUN MESMU PAÍS


23) PORQUE NUN YE INCOMPATIBLE DEFENDER LA UNIDÁ DA GALLAECIA Y COLES MESMES, LA LLINGUA ASTURIANA N'ASTURIES, LLIÓN, BIERZO-ESTE , ZAMORA Y MIRANDA DEL DOURU

24) PORQUE EL BIERZO, SIENDO 50% GALEGÓFONO Y 50% ASTURÓFONO, YE 100% GALAICU Y EL ORIXE DE LA UNIDÁ NACIONAL GALAICA

25) PORQUE "GALEGOS Y ASTURIANOS, PRIMOS HERMANOS"!!!

QUE NUN VOS ENGAÑAR LOS SEPARATISTES!
ASTURIES Y LLIÓN SON GALLAECIA!!

Blogger M.R.A. Gallaecia Asturicense
http://mraasturicense.blogspot.com/

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

O apagamento do Reino da Gallaecia

Conferência do Historiador Anselmo Lopes Carreira sobor do apagamento do Reino de Gallaecia por parte da historiografia do Estado Espanhol.



segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Mapas medievais da GALLAECIA



Nos mapas do medievo traçados por cartógrafos cristians e muçulmans, ao longo de mais de cinco séculos, o noroeste da península ibérica aparece preferentemente denominado como Gallaecia.

Quando aparece Asturies, sempre faze-o dentro da Gallaecia, como no mapa do Beato de Burgo de Osma. Nunca ocorre que só apareça Asturies.

Quando aparece Llión, sempre faze-o como umha cidade de Gallaecia, como na Tabula Rogeriana. Nunca ocorre que só apareça Llión.

O Reino de Gallaecia foi o primeiro reino do medievo em Europa (410 d.C. - 1486 d.C.) De ele nascerom o Reino de Portucale, o Reino de Llión e o Reino de Castilla. O Reino de Asturies é umha forma errónea de chamar ao Reino de Gallaecia.

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Judeus falsificaram documentos do Holoconto




Judeus falsificaram documentos do suposto Holocausto e cobraram US$ 42 milhons


Uns 5.500 judeus receberam fraudulentamente 42 milhons de dólares nos E.U.A. pagados polo estado alemanam, fazendo-se passar por vítimas do suposto "Holocausto", revelou esta Terça Feira a fiscal de New York.

Um total de 17 pessoas foram inculpadas pola estafa de longa data a través dum fundo destinado a ajudar a vítimas da suposta da II Guerra Mundial, precisou num comunicado da fiscal.

Os presuntos estafadores, na sua maoria nascidos no estado russo, aprovaram "mais de 5.500 candidaturas fraudulentas, que resultaram no pago a candidatos que nom qualificavam para os programas", engade.

"Se há umha causa que um poderia supor inmune à codícia e o fraude criminal é a Conferência de Reclamos" dixo o fiscal do distrito sul de New York, Preet Bharara.

Uns dos fundos estafados entregava num pago único 3.600 dólares a judeus que supostamente tinham sido evacuados das suas cidades de origem a causa da suposta "persecuçom dos nazis".

"Muitos dos que receberam os fundos fraudulentos nascerom depois da II Guerra Mundial e polo menos um deles nem sequera era judeu", indica o fiscal.

Logo de receber os cheques de compensaçom, os beneficiários pagavam umha comissom aos que organizavam a estafa. Um total de 4.957 pessoas receberam assim indemnizaçons fraudulentas entre 2000 e 2009, por 18 milhons de dólares.

Noutra estafa entregava-se mensualmente 411 dólares "aos que viverom em guetos durante 18 meses ou mais ou durante seis meses em campos de de trabalho".

Meiante documentos e testemunhos falsos, umhas 658 pessoas que pretendiam ter sido vítimas da suposta persecuçom cobraram assim un total de 24,5 milhons de dólares pagados polos contribuintes do estado alemam.

Once dos suspeitosos foram detidos a Terça Feira e contra todos os inculpados pesam cargos por estafa passíveis de até 20 anos de cárcere e umha multa de 250.000 dólares, precisou o fiscal.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

A infâmia feita política


Quando Göring aparece no varanda e anúncia à multitude que o Führer foi nomeado Chanceler, ressonam aclamaçons intermináveis na Wilhelmstrasse. Mentres que os telégrafos comunicam a listagem ministerial aos jornais do mundo enteiro, a nova difunde -se na cidade. De seguido mais tarde, as casas estám adornadas, e militantes cada vez mais numerosos, acodem de todos los rincons da capital. Umha multitude, cada vez mais densa, aflui cara o Tiergarten e o bairro dos Ministérios. Dende a Uter den Linden até a Leipzigerplatz, as ruas estám pretas de gente. Pouco a pouco o entusiasmo chega à loucura. Umha multitude desencadeada invade a Wilhelmsplatz e encaminha-se cara a fachada da Chancelaria. Membros do Stahlhelm” e camisas pardas, reconciliados na vitória, fraternizam nas ruas com os agentes de polícia. No centro da cidade, um tumulto ensurdecedor domina alternativamente o Deutschland Uber Alles” e o Horst Wessel Lied. Ninguem escapa ao contágio em Germânia. Em München um semi-americano Egon Hanfstaeng, entra precipitadamente na aula do seu colégio berrando: Estamos no poder.

Assim é como Léon Degrelle descreve o instante no que Adolf Hitler e o seu Partido Nacional-Socialista Obreiro Germano alcaavam o poder tras anos e anos de luitas políticas.

Nom foi este um caminho de rosas nem muito menos. Ats ficavam 400 militantes Nacional-Socialistas mortos, mais de 43 000 feridos, muitos dos quais ficariam mancados ou cegos de por vida. Sem esquecer aos 14 heroes caidos no Putsch de München o 9 de Novembre de 1923.

Os processos judiciais contra Nacional-Socialistas elevavam-se a 40 000. Soma inaudita que equivalia a 14.000 anos de prisom.

Cada estado fazia a sua proibiçom, em Bayern proibiam levar o uniforme Nacional-Socialista, em Preußen proibia-se a camisa parda, o governo Bruning chegou até proibir o uso da rádio, no meio da campanha eleitoral ao NSDAP, sendo este o 2º partido do estado Alemam entom. O Volkischer Beobachter, jornal oficial do partido, em 4 anos foi suspendido 34 vezes…

Nada disto arredou aos dirigentes Nacional-Socialistas, Goebbels soia repetir aquilo de Trotz verbot, micht tot” . A pesares da proibiçom, sempre à acçom. E ao final, meiante meios meticulosamente democticos, Hitler e os seus milhons de Nacional-Socialistas faziam-se com o poder.

Hoje todo cambiou, e polo visto isto se esqueceu.

Forom vários centos de mortos os Nacional-Socialistas caidos na luita polo poder, mas contarom-se por milhons os caidos nessa terrível guerra civil europeia que terminou no 45 com a desapariçom física do Führer e do seu Reich milenário.

Polo que se vemos na actualidade aos falsos camaradas N-S" actuais, nom só se lhes ocorre inaugurar partidinhos políticos de salom, que renegam, traicionam e patejam símbolos, mártires e princípios Nacional-Socialistas para ter votos, se nom que na mais infame, e miserável mostra de traiçom votam a partidos políticos nascidos na cuna mesma do sistema, e como nom sempre nacional-espanholistas.

Nom se pode ser mais ruim, mais cobarde, nem demostrar maior putrefacçom espiritual que dizer-se Nacional-Socialista, dizer-se revolucionário, e votar ao PP, ou amparar-se na constituçom espanhola para dar argumentos aos nacionalistas nom espanhois.

O leitor nom dará crédito ao que le se mentalmente ainda é sã. Mas este é um fenómeno muito mais extendido do que a gente cre.

A pessoa que escreve este artigo, e os camaradas que respaldam este escrito, nom só nom entendemos como é possível fazer tal vileza, se nom só como é possível votar, no médio dum sistema visceralmente Anti-Nacional-Socialista, onde para que um partido Nacional-Socialista poida apresentar-se a eleiçons, tem que traiçoar total e absolutamente a su essência.

Nós somos antes que nada Nacional-Socialistas, e renegando disso a mbio duns poucos centos de miseráveis votos, nom só renegamos de nós mesmos, da nosso honra, do nosso orgulho de saber ser homens e mulheres, se nom dos milheiros e milheirs e milheiros de camaradas que nom duvidarom em verter o seu sangue por aquela no que criam.

Este é a nossa homenagem ao seu espírito?

Essa é a nossa luita?

Da vergonha conhecendo o passado do nosso movimento, planejar-se tam só tais procedimentos, mas nom há mal que por bem nom venha, e todo o lixo que existe dentro da nossa causa, essa autêntica quinta coluna de miseráveis, nom se da conta de que assim, os nom só arianos de sangue se nom também de espírito, poderemos alçar o índice e exclamar. Olhade: Esse é um traidor”.