domingo, 5 de janeiro de 2014

A Etnia contra o monstro do Estado

Identidade Vs Estado

A maioria das vezes quando se discute com os Nacional-Espanholistas que dim em chamar-se Nacional-Socialistas, tiram à palestra normalmente os mesmos argumentos:

"No se diferencian a simple vista un gallego de un castellano, o un vasco de un catalán; no existen diferencias raciales entre españoles; por lo tanto la única nación existente es la española"

O Nacional-Socialismo histórico fixo diferenças entre sub-raças dentro da mesma naçom/etnia, e é evidente que os espanholistas confundem as identidades étnicas com a determinaçom da sub-raça ariana correspondente (nórdicos, eslavos,...).

Devido à falta de entendedeiras e a que as discussons riçarom tanto, os N-S decidimos jogar ao mesmo jogo dialectico e apresentamos exemplos de indivíduos para que adivinharam a sua prodecência dentro do estado espanhol.


A resposta maioritária por parte dos espanholistas foi que "Podrían ser de cualquier parte de España", mas a nossa estratégia residia precisamente na procedência estatal dos indivíduos, pois nom eram cidadans espanhois; senom que eram cidadans dos estados: Francês e Italiano. Segundo a sua absurda teoria das "diferencias inexistentes a simple vista" nom deviam ser consideradas naçons aos estados Francês e Italiano, e pertenceriam por tanto a essa naçom espanhola que postulam.

Sub-raças Arianas


Desastres migratórios hispânicos

No passado nas diferentes monarquias e ditaduras houvo tentativas de desvirtuar as identidades étnicas hispânicas com migraçons forçadas intra-ibéricas. É evidente que a inclusom (pacífica ou nom) de 5 milhons de castelans, occitanos, bascons ou de qualquer naçom europeia em território galaico significaria a desvirtuaçom vagorosa da paisanagem étno-cultural (nunca racial). Outra cousa é que se fizera de maneira oportuna em casos ilhados, e que esses indivíduos de origem nom galaica ou mixta com outra naçom europeia adaptara-se com completo à paisanagem etno-cultural que o acolhe.

Temos vários exemplos no estado espanhol. Os bairros de castelans do sul (Andaluzes) e galaicos em Gothalaunia nom forom nunca um exemplo de adaptaçom etno-cultural, polo geral mostravam umha total falta de respeito a cultura nacional catalana, chegando a querer passar por costume local a chamada "Feria de Abril". O efeito rebote foi que os seus descendentes sairom com sentimento "nacional catalám" na sua maioria, xarnegos nacionalistas tanto da esquerda como da direita, baseando o seu sentimento em temas materialistas (economia "Espanya ens roba"), com o qual demostra que a fórmula "Sangue e Terra" é a que melhor funciona.



Outro exemplo temo-lo em Baskonia, onde a meirante parte dos descendentes dos galaicos e castelans que forom trabalhar ali, passarom a ser grandes militantes da esquerda abertzale e incluso da actual banda terrorista marxista ETA; um nacionalismo esquerdalho e maketo.

De Juana Chaos, exemplo de maketo abertzale


Na Galiza temos os desastres etnoculturais nas cidades, mas o problema especialmente étnico reside na cidade de Ferrol, cidade militar onde durante muitos anos viriam gentes de Castilla (Madrid, Cádiz, Cartagena) dando como resultado umha cidade mais semelhante a um bairro madrilenho que a umha cidade galaica propriamente dita; os filhos saim educados da casa em castelám e excluidos da cultura e tradiçom galaica na sua ampla maioria.

A capital castelã, Madrid, nunca tivo esse problema, pese a receber sempre migraçons intra-espanholas sempre foi regida pola norma centralista do estado que à sua vez coincidia com a cultura da naçom castelã, é por isso que um nacionalista espanhol em terras castelãs nom desentoa tanto como no resto de naçons hispânicas, e isso tivo como resultado a adaptaçom quase perfeita das gentes vidas do resto do estado. Quem nom conhece a filhos de emigrantes galaicos (galegos e asturianos) em Madrid que som dos melhores militantes de qualquer Falange, ou que som dos mais destacados membros dos grupos ultra-futeboleiros como Ultrassur e Frente Atlético? 

Qual é a tua Etnia?

Um exemplo de adaptaçom total a etnia, é a gaiteira galaica Susana Seivane. É de origem galaico e castelám (a sua nai é andaluza); mas a sua língua é a galega, vive sumergida na cultura galaica defendendo-a fervorosamente, e em definitiva soubo fundir-se com a naçom que lhe deu acolhida.



Um outro exemplo étnico é o caso do bascom Iñaki Perurena, fazendo-se-nos indiferente a ideologia que professe dentro do nacionalismo bascom.



É um homem fiel à tradiçom do sangue e a terra à qual pertence; do melhor no desporto nacional harriiasoketa, no eido cultural como poeta em língua bascona e bertsolari. Em política publicou artigos na defesa da identidade de Nabarra como eixo da nacionalidade bascona. E o mais importante para nós, deixa todo o seu legado ensinado aos seus próprios filhos.

Perurena dando liçons de história da sua pátria a um maketo ignorante

Exemplos como estes som os que queremos para todas as naçons europeias, é o material humano necessário para vertebrar umha verdade EUROPA, grande em CULTURA e sã RACIALMENTE.

Que alguem nom seja um exemplo étnico como ocorre na maioria de exemplos de nacionalistas espanhois polas suas diversas origens, nom quer dizer que o resto também o sejamos, ou que tenhamos que aceitar a sua história como única. Os modelos étnicos nom os atoparemos nas cidades ou povos grandes da nossa pátria, sempre apareceram nas zonas rurais, e com eles devemos trabalhar e tomar exemplo.

Sabemos que como ARIANOS temos um inimigo primordial que é o Multirracialismo Mundial, mas nom por isso imos esquece-nos dos problemas que como Europeus temos, e que ademais forom problemas projectados dende ideologias que promovem precisamente o mundialismo a escada menor.


9 comentários:

  1. OS SUL-GALAICOS DE PORTUGAL SOFREM O MESMO QUE OS NORTE-KALAIKOIS DO LADO ESPANHOL..OS "NS´S" DE CASTELA ESTÃO MAIS PRA FASCIO IMPERIAL QUE PRA NS..O FASCIO EM 38 VEIO COM O DEFESA DA RAÇA, O QUE PERTO DO QUE ERA ANTES FOI UM GRANDE AVANÇO, MAS AINDA INSISTIA NO FALSO PRECEITO DE QUE PADANICOS, LAZIO E SICILIA ERAM OS MESMOS..NA IBERIA TAMBEM NOTAMOS CLARAS VARIAÇÕES ENTRE NORTE E SUL..

    ResponderEliminar
  2. SÃO AQUELES QUE DIZEM: NOSSA, NÃO QUEREMOS QUE OS IBERICOS SEJAM DESTRUIDOS POR SUB-ASIATICOS, MAS OS DO SUL DA IBERIA MAIS LIXADINHOS TEM DIREITO DE DESTRUIR OS NORTE-IBERICOS MENOS IMPUROS..OU SEJA, ELES SE CONTRADIZEM..OBVIO QUE UM NORTE-IBERICO E UM SUL-IBERICO SÃO PRIMOS MUITO MAIS PROXIMOS QUE UM SUL-IBERICO E UM SUB-ASIATICO, MAS ISSO NÃO QUER DIZER QUE O SUL-IBERICO POSSA DESTRUIR O NORTENHO POR SER DA MESMA MACRO-ETNIA..MUITO ANTES PELO CONTRARIO..É ALGO AINDA MAIS CRIMINOSO POR QUE SE ENQUADRA EM ALTA TRAIÇÃO..

    ResponderEliminar
  3. ALEM DISSO O PRETEXTO DA TAIFIZAÇÃO NÃO COLA, POIS DIANTE DE UM INIMIGO EXTERNO A IBERIA PODERIA HAVER CONFEDERAÇÃO MILITAR ESTILO OTAN E CIA PRA DEFESA EM COMUM SEM NECESSIDADE DE FUNDIR AS PARTES CIVIS COMUNS..APENAS DEFESA MUTUA ONDE AMBOS SAIRIAM GANHANDO..O CASO DA CATALUNHA É PREOCUPANTE POR QUE ALI USAM APENAS O ANTI-CASTELA PRA IMPOR O MESMO LIXO KOSHER DE CASTELA..A GALLAECIA PREOCUPA POR QUE POSSUI RAZOAVEL NUMERO DE GULAGUIANOS, TAL COMO O PAÍS BASCO COM SEU ETA KOSHER..OU SEJA, HA 3 PROBLEMAS..OS LACAIOS DOS ALOGENOS INFILTRADOS, OS IMPERIALISTAS DE CASTELA E OS ALOGENOS EM SI

    ResponderEliminar
  4. ¿Por qué se incluye a Andalucía en Castilla? No entiendo eso...

    ResponderEliminar
  5. A falta de reconhecimento da naçom castelã leva como maldiçom engadida essa imbecilidade de que Andaluzia procure a sua ‘identidade perdida’ nos mouriscos no canto de Castilla que lhe deu a raça, cultura e povo actual.

    Seguindo com essa linha o reclamo das "Castillas del Sur / Vandalia" como parte inegociável de Castilla. A inclusom dos territórios castelás do sul no mapa de Castilla há de ser iminente. Castilla la novísima (tanto bética como penibética) formam parte da Tradiçom popular castela que, foi manipulada para se apresentar como produto alheio e independiente, relacionando-o à cultura caló e berebere (bereberes já mesturados) com finalidades clarísimas… É lamentável olhar comentários como “Andalú” em mostras de clara mofa ao deixo linguístico do Sul… isso é menospreçar ao resto de etnias europeias. A castelanidade nom tem porque ser homogénea, o que sim deve ser é Tradicional (olhe-se as jotas andaluzas e discuta-se a sua origem castelã) e racialmente lineal.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ¿entonces por qué se incluye en Gallaecia a León (que en el mapa europeo de las SS está con Castilla) y e norte de Portugal (que está solo, pero separado de Galicia)? ¿O no tomáis de referencia ese mapa?

      Eliminar
  6. Mapa das SS, nom.

    Há que deixar bem claro que esse mapa étnico-regional das SS "Charlemagne" (nom das SS) tinha erros; ao ser eles Franceses e padecer nas suas próprias carnes o jacobinismo originário e mais fedorento, fixo-lhes esboçar umha moreia de etnias que nom se definiriam como tal, ou que eram em muitos casos regions doutra.

    Mesmo assim este mapa "Charlemagne" é umha prova visual ao ideal étnico que promoviam nas Waffen SS, ainda que só fosse um esboço com erros, fica patente a sua pretensom.

    As Waffen SS Charlemagne certamente tinham umha etnia franca no estado francês, umha naçom francesa com a que contar no marco da Europa das Etnias. No caso do estado francês, as etnias a ter em conta seriam : Franceses, Bretons, Bascons, Catalans, Occitanos.

    Nós tomamos como guia a história (real) das etnias, muitas vezes coacionadas polos lindeiros políticos nos derradeiros 500 anos. Para nós Llión é inequívocamente parte da Gallaecia-Asturicense (onaikos asturom) junto com Asturies e Miranda do Douro.

    Como no caso da "castelanidade", a Galaicidade nom tem porque ser homogénea, o que sim deve ser é Tradicional e acorde a sua história etnica.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. nunca me había parado a pensar en la opción de que Andalucía fuera parte de Castilla, es un aspecto interesante. Y volviendo al tema astur-leonés, ¿allí hay sentimiento "galaico"?

      Eliminar
  7. Olá, em primeiro lugar felicitar-vos polo artigo, já que gostei muito e está mui bem, pero tenho umha pequena dúvida. A Gallecia que proponhedes estaría dividida em três: Lucense, Bracarense e Asturiciense. Por qué essa divissom? Cada "gallaecia" (cada umha das três anteriores) teria um governo ou sería governada dende a capital de Gallaecia (que também gostaría de saber qual é)? Saúdos e avante Galiza.

    ResponderEliminar